Sobre ser jornalista

22.11.05

tenho a plena sensação de que vou começar a não gostar mais de ser jornalista em alguns anos. não pelo trabalho em si, mas por o que o envolve.

ser jornalista implica em fazer frilas para complementar um salário que não dá para quase nada;

ser jornalista implica em, por causa destes frilas, passar fins de semana de folga trabalhando;

ser jornalista implica em procurar fontes no domingo. e ligar para estas pessoas no domingo de noite pedindo o impossível;

ser jornalista implica em telefonar novamente para a única pessoa que se propôs a ajudar para dizer que o e-mail não chegou às 21h51;

ser jornalista implica em escrever cinco páginas de texto estiloso, conforme pedido do editor, mesmo com preguiça, sono e dor nas costas, nada estimulantes;

ser jornalista implica em saber que, quando terminar finalmente este texto, ainda há dois trabalhos bem grandes para finalizar. sempre num prazo razoável, contado não em dias, mas em horas;

ser jornalista é ser uma lebre na hora de entregar o texto, mas ser tartaruga para receber...

4 comentários:

Larissa disse...

Textos estilosos sobre temas pé-no-saco...

Anônimo disse...

E o pior é que você até pode subir na carreira, mas o salário será sempre uma bosta...

E você será chefe só quando você estiver fazendo o balanço a respeito do que valeu e do que não valeu a pena na sua vida...

E o máximo de orgulho que você vai ter é, em alguns parquíssimos casos, ser aplaudido quando receber seu prêmio press. Por Deus, já existe até prêmio para o gari que mais recolheu lixo em um determinado período...

Vai demorar um pouco, devido ao corporativismo da classe, mas algum dia o jornalismo vai ser um curso técnico do senai. Duvidam? Aguardem

Mirella disse...

Ser jornalista plantonista é:

- é tentar falar com alguém do instituto nacional de meteorologia depois das 22h, quando só tem o segurança no local;

- entrevistar o diretor-presidente do Detran por telefone às 21h30min, estando ele no meio do jogo do Inter;

- ter que acordar uma desembargadora depois da meia-noite para descobrir onde foi autorizada a adoção de uma criança por duas lésbicas...

Sim, são apenas três exemplos da minha maratona diária.

"Tu é o plantão, te vira", é o que eu ouço.

Pelo menos tem adicional noturno.

Emiliano disse...

É gripe? Todo o blog que eu entro tem alguém formado em jornalismo reclamando da profissão! Bruno Galera, Träsel e agora tu.