para a alegria do seu solon

27.10.05

terminei há dez minutos de ler Desvarios no Brooklin, de Paul Auster, lindamente defendido por bigode de moraes há alguns dias. ler literatura estrangeira é uma coisa que me aborrece, porque sempre acho que os livros foram traduzidos pela mesma pessoa, parece que perde a identidade do escritor, as perspicácias, tiradinhas, os floreios. evidente que poderia comprovar isso se lesse os originais em inglês, mas não vai rolar, falta saco e vocabulário.
pois bem. ando na tentativa de me livrar desta impressão; os últimos quatro ou cinco livros que li não foram escritos originalmente em português. e isso ainda não aconteceu.
quanto aos desvarios, óbvio, achei o livro bacana, bem costurado, embora não tenha sentido como o rodrigo vontade de ser um judeu de meia-idade morando no Brooklin. porém, a uma certa altura tinha certeza absoluta que estava lendo Como ser legal, do Nick Hornby. não sei explicar o motivo, sinceramente.
alguém que leu os dois pode dar um palpite?

4 comentários:

Emiliano disse...

Eu nunca li inteiro nenhum livro do Nick Hornby, será que eu sou normal?

Míu disse...

oi, Clarissa!
Adorei teu blog. Sou amiga da Lella, pra me apresentar...
Bem vinda ao clube!

Anônimo disse...

qualquer texto traduzido do ingles pro portugues, seja literatura ou cientifico, sofre desse mal. é uma pena.

Solon disse...

Traduções, obviamente, sofrem percas pelo caminho. Mas há boas traduções, que conseguem manter a identidade do texto original. Experimenta, na próxima feira do livro, achar "Um Punhado de Pó", do Evelyn Waugh. versão da Cia. das Letras, excelentemente traduzido pelo Diogo Mainardi.

quanto aos livros citados, não li nenhum. até penso em ler o Auster um dia, mas não faço questão alguma de jamais ler qualquer coisa escrita pelo Nick Hornby.