madre

30.9.09

inspirada em um texto sobre a vó do cardoso, perdido no meio de um querido diário, resolvi contar aqui uma boa da minha mãe, apenas para lembrar que o mundo pode ser engraçado, e não só feito de pessoas que batem no nosso carro e não querem pagar, mecânicos e homens enrolões e chuva eterna em porto alegre.

mas vamos aos fatos. a mãe nunca andava de ônibus, mesmo com a vó morando no centro, o que torna uma simples visita um martírio completo em busca de uma vaga. em uma certa feita, ela resolveu se aventurar na linha 493 que atravessava a protásio alves do meio para o começo e para(va?) no mercado público.

uma vez no ônibus, cometeu o erro maior dos leigos: aboletou-se na janela. no meio do caminho, um homem visivelmente alcoolizado e andrajoso sentou-se ao lado. numa provável mistura de cansaço e trago, o homem logo pega no sono.

no balancinho do coletivo, ele se aconchega pra perto da mãe, que encolhe seu 1,55m e 50 quilos na janelinha. mais balanço, e o homem encosta a cabeça no ombro dela, que não consegue reagir e aceita a companhia. com mais sacolejo e encorajado por não ter sofrido resistência, o bêbado - que estava carente - estica o braço pra ficar de conchinha com a mãe. aí ela finalmente resolve reagir. tira o braço dele delicadamente e diz "assim também não, né, senhor!"

eu queria ser um poema no ônibus pra ter visto essa cena.

3 comentários:

Rafa disse...

Morro com essa história. E que saudades dos poemas no ônibus. Eles ainda existem? Uma vez escrevi um tão amoroso, mas nunca me selecionaram. Por que será?

mirta disse...

me gustaría haber visto la cara de tu madre en ese momento :)

camila disse...

EU VI ESSA CENA!!!